Vacinação contra gripe começou em Maricá

A movimentação foi intensa nos postos de saúde de Maricá durante o primeiro dia da campanha nacional de vacinação contra a gripe Influenza, iniciada nesta terça-feira (24/04) em todo o estado do Rio. Uma das principais unidades, o Posto de Saúde Central, registrou atendimento além do esperado para o início da campanha. Idosos, gestantes e crianças são alguns dos grupos prioritários dessa campanha que segue até o dia 01/06 e terá o Dia D no dia 12/05, quando ocorre a mobilização nacional. O atendimento nos postos acontece de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

A gerente de imunização, Márcia Matos, explicou que o município receberá do Ministério da Saúde um total de 35 mil doses que serão distribuídas semanalmente em cinco cotas ao longo da campanha. “A quantidade de doses segue o censo populacional de 2010. O município recebeu doses para atender exclusivamente o público alvo para esta campanha. Por isso, somos obrigados a imunizar aquelas pessoas que se encaixam nos grupos prioritários”, destacou, acrescentando que cerca de 200 profissionais da Secretaria de Saúde, dentre enfermeiros, técnicos de enfermagem, agentes comunitários de saúde e administrativos, estão engajados diretamente nessa campanha.

De acordo com a gerente, esse grupo é composto por idosos com 60 anos ou mais; crianças de seis meses a cinco anos; gestantes em qualquer idade, puérperas (mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias); trabalhadores da área de saúde; professores das redes pública e privada; indígenas; portadores de doenças crônicas não transmissíveis; pessoas privadas de liberdade (incluindo adolescentes cumprindo medidas socioeducativas) e profissionais do sistema prisional. E, o município tem como meta vacinar 90% desse público-alvo.

Márcia acrescentou que, esse ano, a vacina é trivalente com a possibilidade de proteger contra três tipos de vírus da gripe: o Influenza A, nas variações H1N1 e H3N2 e Influenza B. “Gostaria de deixar bem claro que a vacina não causa nenhuma doença. Muito pelo contrário, ao tomar a vacina, você não apenas se protege da gripe, mas evita quadros mais graves que pode levar à hospitalização e morte dos grupos de risco para a doença”, exemplificou, acrescentando que a vacina é contraindicada para quem tem alergia severa a ovo.

A manicure de 23 anos, Andreza dos Santos Pereira, fez questão de aproveitar o primeiro dia da campanha para se imunizar porque há 11 dias deu à luz a Helena Rodrigues. “Tenho que me preocupar com a minha saúde e, principalmente, com a da minha filha que ainda é muito indefesa. Acho muito importante tomar a vacina para não correr o risco de nenhuma doença atingir minha filha”, destacou.

Já a moradora de Itaipuaçu, Elaine Cristina Silva, de 29 anos, grávida de oito meses, fez questão de tomar a vacina e também permitir a aplicação na sua filha Sophia Lima, de quatro anos. “É fundamental nos prevenirmos para garantir também a saúde de quem está a nossa volta. Sempre participo de todas as campanhas porque acredito que a vacina é o melhor meio de proteção”, declarou Elaine, apresentando a caderneta de vacinação da filha com todas as vacinas em dia.

As primas Ana Carolina Marie Santos e Victória Maria Ferreira dos Santos, acompanhadas pela avó Kátia Santos, lançaram um desafio na hora da aplicação da vacina para saber qual delas iria chorar. “Ela é mais dramática. Chora por tudo e o legal é que nem doeu”, disse a pequena Ana Carolina. Já para Victória Maria, o que mais assustou foi à injeção. “Confesso que fiquei com medo e por isso chorei, mas quase não dói”, justificou.

A moradora de Itapeba, Maria Ilza Espíndola, de 61 anos, disse que há anos toma a vacina contra gripe por conta de problemas de pressão alta. E aproveitou para levar sua mãe de 93 anos, Maria Fontes Espíndola, para também se imunizar. “Ela tinha sérios problemas de rinite, mas, depois que começou a tomar a vacina, nunca mais teve. Por isso, acho muito importante evitar as complicações mais sérias que podem levar à internação”, frisou.

Com 80 anos, a moradora de Araçatiba, Augusta Lopes, confessou que procura o posto de saúde assim que descobre o início da campanha contra gripe. “Sempre me vacino porque nunca mais tive gripe e por isso acho muito importante me proteger e cuidar da minha saúde”. Já o morador de Ubatiba, José Antônio Pereira da Rocha, de 72 anos, disse que desde que tomou ciência da existência da vacina faz questão de se imunizar. “Não meço esforços para me vacinar porque é essencial para a saúde, principalmente de quem já passou dos 60 anos. Eu, por exemplo, nunca mais fiquei gripado e nunca senti efeito pela aplicação”, declarou.

-Publicidade-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário.
Por favor digite seu nome aqui