Saúde bucal na adolescência

Fernando César Pereira Costa

Meu nome é Fernando Cesar Pereira Costa, sou dentista, formado há 23 anos pela Faculdade de Odontologia de Campos, Pós graduado em Dentística,Cirurgia Oral Menor,Toxina Botulínica e Preenchedores Faciais,Fios de Sustentação/PDO, Odontologia Hospitalar.

Membro da SBTI (Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e Implantes Faciais)

Morador e empresário da cidade de Maricá(Itaipuaçú)/RJ, onde sou proprietário da CONSTRUINDO SORRISOS, uma Clínica de Odontologia Estética e Harmonização Orofacial.


TEM BOCA PRA QUÊ?

 A boca é um órgão formado pelos lábios, bochechas, língua, glândulas salivares, dentes e gengiva; além de ser importante para a alimentação, está ligada fundamentalmente ao processo de socialização. Por meio da boca relacionamo-nos com as pessoas e com o mundo, utilizando a fala, o beijo, o prazer de saborear os alimentos e o sorriso. Problemas bucais podem causar dor, infecção, dificuldade em falar ou mastigar, ausência da escola, aparência ruim. Esses problemas podem influenciar na saúde geral, nos estudos, no trabalho e na vida social dos adolescentes. A saúde bucal dos adolescentes tem grande importância, porque é nesse período que a maioria dos elementos dentais permanentes de maior risco à cárie irrompe na boca.


JÁ SOU ADULTO! SERÁ?

A adolescência é uma fase do desenvolvimento marcadamente caracterizada por ambiguidades, tensões e conflitos, além de descobertas e muita intensidade na vivência das diferentes situações da vida – boas ou ruins. Tudo parece urgente, e o tempo acaba sendo medido com essa régua da ansiedade. Desse modo, é comum que os jovens arrumem desculpas de  tempo para as medidas de autocuidado e é frequente (principalmente no início da adolescência) que os bons hábitos de higiene sejam colocados de lado, assumindo menor importância nesse contexto de descobertas, urgências e intensidades. A essa altura, não só os pais já delegaram as tarefas de cuidado da saúde bucal para os filhos como estes também têm dificuldade de aceitar a interferência dos familiares no seu dia a dia. Na busca de um equilíbrio físico-psíquico-social, o adolescente apresenta comportamentos extremos, ora exacerbando suas atitudes positivas, ora mostrando-se francamente negligente com seus cuidados à saúde. Não raro, a adolescência é tida como um período de risco aumentado à cárie dentária, em decorrência do precário controle de placa e da redução dos cuidados com a escovação dentária. Por outro lado, torna-se um período crucial na atenção à saúde porque, nessa época, é estabelecido todo um aprendizado ligado a condutas e comportamentos futuros, de forma que essa é também uma fase propícia ao desenvolvimento de um estilo de vida saudável a partir consolidação de uma mentalidade de autocuidado de caráter mais duradouro, desde que haja condições favoráveis para tal. Os cuidados com a saúde bucal fazem parte desse contexto de promoção da saúde geral, do cuidado com o corpo como um todo. Na fase da adolescência, é muito comum ocorrerem mudanças nos hábitos alimentares, havendo maior preferência por lanches rápidos, salgadinhos, chicletes e refrigerantes, muitas vezes consumidos exageradamente, chegando mesmo a substituir as refeições, fato que geralmente está associado a uma diminuição da disciplina dos hábitos da escovação conquistados na infância. Dessa forma, podem passar a fazer parte da rotina do adolescente alguns problemas antes não tão comuns, como a cárie dental e as doenças gengivais. Juntamente com esses dois, os traumatismos e os problemas com o dente de siso constituem os principais transtornos relacionados à saúde oral que afetam os indivíduos nessa fase. Esses distúrbios, assim como as doenças de modo geral, sem dúvida contribuem para um comprometimento biológico, emocional e/ou social do adolescente.


AS PRINCIPAIS DOENÇAS OU PROBLEMAS BUCAIS NA ADOLESCÊNCIA

Cárie dentária

  • É uma doença que provoca a destruição e a formação de cavidades nos dentes, por meio da ação de bactérias que transformam em ácido os açúcares que comemos.
  • A placa dentária, que é uma película que se forma sobre o dente continuamente, serve de local para as bactérias se alojarem.
  • O uso do flúor fortalece o dente, tornando-o mais resistente.

Doença periodontal

  • É uma doença causada pelas bactérias da placa dentária que atinge a gengiva e os ossos em volta dos dentes. • O primeiro sinal da doença é o sangramento da gengiva.

 

Má oclusão

  • Oclusão significa o modo como os dentes se encaixam na boca. Uma alteração nessa relação entre os dentes pode trazer consequências para a saúde bucal.
  • São muitas as causas de má oclusão. Dentre elas podemos citar a falta de espaço, os hábitos ruins e a extração de dentes de leite antes da época certa (pois eles guardam o espaço para o dente que vai nascer).

 Fluorose 

  • O flúor é um elemento muito importante na prevenção da cárie dentária, mas se ingerido em excesso durante os anos em que os dentes estão se formando pode causar um defeito chamado fluorose. •

A fluorose tem a forma de manchas brancas ou escuras nos dentes.

Mau hálito

  • As bactérias da placa geralmente são as responsáveis pelo mau hálito.
  • Enxaguatórios bucais, chicletes ou balas apenas o escondem por alguns momentos, não atacando a causa do problema.
  • A escovação e o uso de fio dental é que podem ajudar na obtenção de um hálito saudável, pois removem as bactérias.

Erupção do dente de siso

  • Aos 13 anos, a maioria dos adolescentes já possui quase todos os dentes permanentes. Já estão presentes 28 dentes; os quatro dentes que faltam para completar a dentição permanente (que é formada por 32 dentes) são os terceiros molares permanentes, também conhecidos como dentes de siso.
  • Algumas pessoas não possuem esses dentes, mas na maioria das vezes, eles erupcionam entre os 17 e os 21 anos e é necessário um cuidado especial na sua escovação, pois se localizam num ponto de difícil acesso.
  • Às vezes acontecem problemas na erupção, pois algumas pessoas não têm espaço na boca, ou então os dentes nascem tortos, empurrando os dentes vizinhos. Isso causa dor, pressão, dificuldade em abrir a boca ou até mesmo inflamação na gengiva em volta do dente. Nesses casos, é necessária uma avaliação do dentista.
  • A avaliação do estágio puberal pelo médico é importante, pois o crescimento da face e dos ossos pode indicar avaliação ou intervenção ortodôntica mais cedo.

Erosão dentária

  • A maioria dos jovens apresenta erosão dentária, que se caracteriza por desgaste dos dentes provocado por substâncias ácidas.
  • O consumo excessivo de refrigerantes é uma das maiores causas de erosão entre os adolescentes.

 

  • Traumatismo dentário
    • Uma queda ou batida na boca pode causar a quebra ou a saída de um dente permanente. Nas escolas um processo de educação de segurança nas práticas esportivas e nas brincadeiras é muito importante.
    • Em caso de um pedaço do dente quebrar, ele deve ser guardado no soro, leite ou água filtrada e levado ao dentista.
    • Em caso de o dente sair totalmente, ele deve ser segurado pela coroa (parte branca) com muito cuidado.
    • Caso esteja sujo, deve ser lavado com soro fisiológico ou leite, sem esfregar, e colocado o mais rápido possível no lugar, para aumentar as chances de sucesso do reimplante.
    • Caso o dente não possa ser recolocado, deve ser guardado num copo com leite, soro ou água filtrada. O dentista deve ser procurado imediatamente.

ALGUNS COMPORTAMENTOS PODEM INFLUENCIAR A SAÚDE BUCAL

Hábitos

  • Alguns hábitos, como chupar dedo ou chupeta após os 4 anos, morder objetos, respirar pela boca e ranger os dentes podem causar má oclusão ou quebra e desgaste dos dentes.

Fumo e álcool

  • Fumo e uso de bebidas alcoólicas podem causar mau hálito, câncer bucal, manchas nos dentes ou doença periodontal. • É muito importante também saber do risco desses hábitos para nossa saúde em geral e como eles afetam nossa vida social, profissional e amorosa.

Piercing 

  • O hábito de usar piercing na boca, comum para alguns adolescentes, pode causar complicações como infecção, inchaço da língua, sangramento incontrolável e dificuldade em mastigar, falar ou engolir.
  • Também existe o risco de engasgo com pinos e argolas (com riscos sérios à saúde quando aspirados, causando obstrução respiratória) e de danos aos dentes e gengiva durante traumatismos ou acidentes.
  • Caso o adolescente queira usar piercing, é importante falar com o dentista antes, para discutir os riscos e receber orientações.

MODOS DE PROMOVER A SAÚDE BUCAL

O autocuidado em saúde bucal é muito importante, pois as principais doenças bucais podem ser prevenidas com atividades do nosso dia a dia.

São ações importantes: a escovação com pasta fluoretada pelo menos duas vezes ao dia; a diminuição da frequência de ingestão de alimentos entre as refeições (principalmente alimentos açucarados) e o desenvolvimento do hábito de examinar periodicamente a boca, de modo a identificar quando algo não está bem.

O adolescente tem condições de exercer esse autocuidado com o seu corpo em geral e com a sua boca em particular, e ao realizar essas atividades estará dando um passo significativo na manutenção de sua saúde bucal.

ESCOVAÇÃO COM PASTA FLUORETADA

  • A higiene da boca é uma parte importante da higiene de nosso corpo que pode ser feita por meio da escovação.
  • É muito agradável a sensação de frescor de uma boca limpa após a escovação.
  • Além disso, a escovação com pasta contendo flúor é um excelente método de prevenção da cárie e da doença periodontal.
  • A escovação dos dentes antes de dormir é muito importante.
  • As escovas dentais devem ser macias e pequenas, de modo que os dentes posteriores sejam alcançados sem dificuldade; deverão ser substituídas sempre que as cerdas começarem a virar para fora.
  • A quantidade de pasta a ser usada deve ser pequena, do tamanho de um grão de ervilha.
  • Não deve ser utilizada força em excesso, pois pode causar desgaste nos dentes.
  • Caso a técnica de escovação que esteja sendo usada por um adolescente seja eficaz, ele deve mantê-la. Um método simples e eficiente é o seguinte: o Iniciar a escovação pela face externa dos dentes da arcada superior, passando depois para a arcada inferior. o Essas faces devem ser escovadas da gengiva para o dente, em movimentos de varredura vertical. o Em seguida, devem ser escovadas as faces internas dos dentes, também com movimentos de varredura, da gengiva para o dente. o Depois devem, então, ser escovadas as faces mastigatórias, que são a parte de cima de cada dente, com movimentos de vai-vem horizontais. o Todos os dentes devem ser escovados, principalmente os últimos. A língua não deve ser esquecida, pois o acúmulo de alimentos nessa região pode causar mau hálito.
  • A pasta não deve nunca ser engolida, e pastas abrasivas ou com produtos branqueadores devem ser usadas apenas sob orientação do dentista, pois podem causar lesões nos dentes e na gengiva.

USO DO FIO DENTAL

  • O fio dental remove a placa e as partículas de alimento que ficam entre os dentes, áreas que a escova não consegue alcançar.
  • Ele deve ser usado diariamente da seguinte forma: enrola-se o fio nos dedos do meio das duas mãos e introduz-se a parte esticada entre os dentes, com cuidado para não forçar a gengiva.
  • O fio deve ser esfregado para cima e para baixo em cada um dos dentes, de modo a remover a placa dessa região.
  • A partir dos nove anos, já é possível fazer o uso do fio dental sozinho.
  • Quando o fio se desfia ou prende durante o seu uso, é importante que o dentista faça um exame.

ALIMENTAÇÃO

  • As bactérias da placa produzem ácidos que atacam os dentes até meia hora depois de comermos. Portanto, se comemos com frequência exagerada, os ácidos são produzidos continuamente, e o dente sofre ataques constantes durante o dia, resultando na cárie dentária.
  • Devemos tentar controlar um pouco a vontade de “beliscar” constantemente entre as refeições, dando preferência aos lanches saudáveis e evitando comer balas, chicletes, refrigerantes e chocolates nesses momentos.

VISITA AO DENTISTA

  • O acompanhamento de rotina da saúde bucal do adolescente pelo dentista é importantíssimo, e a partir de uma consulta inicial poderá ser avaliada a necessidade de tratamento e orientações, além da frequência de retorno.
  • O dentista poderá orientar o adolescente em relação aos problemas bucais e ao autocuidado, discutindo a melhor maneira de adaptar essas ações ao seu dia a dia.

• Dor, sangramento, inchaço, barulhos diferentes quando a boca é aberta, cavidades ou manchas nos dentes, feridas e manchas em geral, traumatismos, presença de hábitos bucais e uso de piercing bucal são alguns dos motivos que devem fazer o adolescente procurar logo o dentista. O mais importante é saber que o cuidado com a saúde bucal é uma relação de parceria e que o adolescente pode ser um grande parceiro do dentista nesse processo.


Essas foram as dicas desta semana…

Dúvidas e perguntas serão bem vindas.
Abraços.
Bom fim de semana.

Contato: odontofernando@yahoo.com.br
21 999128679 – whatsapp

 

 

 

-Publicidade-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário.
Por favor digite seu nome aqui